Pesquisa científica busca recursos para lançar app que coleta dados sobre o sono

November 4, 2016

 

Campanha conta com o apoio da Associação Brasileira do Sono

 

Um bom sono é sinal de boa qualidade de vida e saúde. Pessoas que dormem mal podem acordar indispostas e mais estressadas, diminuindo a efetividade do sistema imunológico e atrapalhando as atividades no decorrer do dia. Tomar muitos remédios para dormir também não é a melhor solução. Por isso, recentemente pesquisadores lançaram uma campanha de financiamento coletivo que conta com o apoio da Associação Brasileira do Sono para criar um aplicativo de celular capaz de coletar dados sobre o sono do brasileiro.

 

Segundo os idealizadores, esses dados serão enviados para um banco e poderá ser estudado por qualquer outro pesquisador. “Esse tipo de pesquisa colaborativa resulta em informações mais rápidas e eficientes”, afirma Bruno Gonçalves, idealizador do aplicativo e da !link campanha www.kickante.com.br/campanhas/epinfra e faz parte do Departamento de Cronobiologia e do Departamento de Métodos de diagnóstico da Associação Brasileira de Sono.O financiamento busca alcançar o valor de R$43.750,00 para produção do aplicativo, que depois de pronto, estará disponível para ser baixado em smartphones.

 

“O aplicativo, que terá o nome Epinfra, irá identificar o nível de atividade e assim estimar parâmetros do ritmo biológico. Esses dados, em conjunto com informações sobre idade, sexo, índice de massa corporal e outros, permitirão aos pesquisadores entender melhor sobre fatores que afetam a qualidade do sono”, explica Gonçalves.

 

As contribuições começam a partir de R$50 para pessoas físicas até R$600, caso uma empresa queira customizar o aplicativo. Com valor de R$250, por exemplo, o usuário que colaborar ganha um Curso online de cronobiologia. Outra opção é o investimento de R$150,00 cuja recompensa será um Curso online de actigrafia.

Para colaborar com o projeto acesse www.kickante.com.br/campanhas/epinfra. Na página do financiamento coletivo você consegue mais informações sobre o aplicativo, se cadastrar como voluntário ou como pesquisador, para poder utilizar os dados do Epinfra.

Share on Facebook
Share on Twitter